O Arauto

Photobucket

segunda-feira, junho 19, 2006

Economista da Guiné-Bissau sobe a sub-secretário-geral de Kofi Annan

O economista guineense Carlos Lopes está a acumular, desde 01 de Junho, o cargo de Director Político do secretário-geral das Nações Unidas com o de sub-secretário-geral da ONU, indica hoje um comunicado da organização. Segundo o documento, a promoção, com efeitos a 01 deste mês, foi decidida sexta-feira pelo próprio Kofi Annan. Carlos Lopes, natural de Bissau, nascido a 07 de Março de 1960, fora nomeado em Setembro de 2005 director dos Assuntos Políticos, de manutenção de Paz e Humanitários do gabinete de Annan, sendo empossado dois meses depois, em Novembro. Até então, Carlos Lopes era o responsável máximo da ONU e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no Brasil, onde se encontra a maior delegação da organização em todo o mundo. O economista guineense, com um gabinete no 38º andar na sede da ONU, em Nova Iorque, é mestre em Desenvolvimento e Planeamento Estratégico e está encarregado de elaborar um vasto e ambicioso plano de reformas nas Nações Unidas, sobretudo no quadro do próprio PNUD. Autor de mais de 20 publicações, professor em universidades e academias em Lisboa, Coimbra (Portugal), Zurique (Suíça), Uppsala (Suécia), São Paulo e Rio de Janeiro (Brasil), Carlos Lopes tem um vasto currículo nas várias agências das nações Unidas. Segundo o comunicado, ajudou a criar organizações não governamentais em várias partes do mundo e foi consultor da Organização das Nações Unidas para a Educação, Cultura e Ciência (UNESCO), da Agência Sueca para o Desenvolvimento Internacional (ASDI) e do Comité Económico para África da ONU. Em 1984, Carlos Lopes foi um dos fundadores do primeiro grupo de trabalho do Conselho Económico e Social da ONU (ECOSOG), com sede em Dacar, Senegal. Carlos Lopes foi convidado a integrar os quadros do PNUD em 1988, na altura como economista para a área do desenvolvimento, subindo rapidamente na hierarquia da organização. Foi Director Adjunto do Gabinete de Avaliação Estratégica e Planeamento antes de seguir para o Zimbabué como coordenador residente do PNUD, após o que foi convidado a assumir as operações no Brasil. Em Setembro de 2005, o economista guineense viu reconhecido o seu trabalho e foi convidado pelo próprio Kofi Annan para chefiar o Departamento dos Assuntos Políticos, de Manutenção de Paz e Humanitários da equipa executiva do secretário-geral da ONU. A Agência Lusa tentou contactar Carlos Lopes em Nova Iorque mas, até agora, todas as tentativas revelaram-se infrutíferas. Trata- se do primeiro cidadão guineense a ocupar um alto cargo na secretaria- geral das Nações Unidas, em Nova Iorque.