O Arauto

Photobucket

sexta-feira, janeiro 04, 2008

Revolta do Cassanje-Embrião da luta pela independência

O historiador angolano Pedro Kapumba considera a Revolta da Baixa de Cassanje como "o alicerce" para a constituição de outros movimentos que levaram à independência de Angola, em 11 de Novembro de 1975. "Milhares de angolanos terão morrido nessa revolta. São heróis que criaram os alicerces para que outros movimentos se constituíssem para a contestação da colonização em Angola", disse Pedro Kapumba, docente de história de Angola no Instituto Superior de Educação (ISCED), da Universidade Agostinho Neto.
Segundo o historiador, apesar da inexistência de estatísticas, deverão ter morrido mais pessoas na revolta da Baixa de Cassanje, ocorrida a 4 de Janeiro de 1961, do que no início da luta armada, a 4 de Fevereiro de 1961. "O facto de terem morrido mais pessoas no 4 de Janeiro não o torna mais importante do que o 4 de Fevereiro (ataque a cadeias em Luanda desencadeado por nacionalistas e tido como o primeiro passo da luta armada), mas sim por ser um marco de referência histórica da ocupação colonial, que fez os portugueses compreenderem que teriam que engendrar outras formas para continuarem em Angola", frisou.
O historiador explica que, na segunda metade do século XX, altura em que se iniciou uma corrida "desenfreada" em África, Portugal, para implantar a colonização, teve de transformar as sociedades africanas. "Com a evolução da indústria europeia - particularizando a economia portuguesa -, Portugal, em posse do território angolano, tudo fez para facilitar as suas obras, fazendo com que as populações nativas não tivessem nenhuma relutância para o prosseguimento dos seus interesses", referiu o professor.
Pedro Kapumba salienta que, para atingir os seus objectivos, os portugueses optaram pela expropriação de terras aos africanos, entregando-as aos colonos. "A expropriação de terras foi um dos mecanismos utilizados pelos portugueses para facilitar a implementação dos seus projectos. E a Baixa de Cassanje foi dada para a produção de algodão e exploração de diamantes", disse.
A região da Baixa de Cassanje, uma área composta por dez municípios integrados pelas províncias de Malange e da Lunda Norte, na altura foi entregue à Cotonang, empresa de exploração de algodão. A necessidade desta empresa transformar a região numa zona de produção de algodão fez com que fosse proibido aos africanos cultivarem bens do seu costume alimentar, como a mandioca. "Esta obrigatoriedade da produção de algodão espoletou o ódio entre as populações africanas, numa altura em que muitos estados africanos sob dominação colonial tinham já obtido a sua independência, influenciando bastante a atitude dos angolanos", salientou.
A independência do vizinho Congo foi, segundo o professor, "um dos motores" para a organização e forma de ver o sistema colonial pelos camponeses desta região. "A passagem pela região de alguns belgas fugidos do Congo veio facilitar a consciencialização política dessas populações para a adopção de uma postura violenta de contestação, mesmo com a camuflagem que a PIDE tentava fazer para esconder o que se estava a passar no vizinho Congo", disse.
"Terá sido também por essa influência do Congo e de alguns movimentos nacionais já constituídos que se deu a revolta dos camponeses da Baixa de Cassanje, em 4 de Janeiro de 1961, que culminou com a morte de milhares de angolanos, bombardeados pela força aérea portuguesa", afirmou.
Em conclusão, Pedro Kapumba afirma que o 4 de Janeiro foi "um salto" para o 4 de Fevereiro, o início da luta armada, o assalto às cadeias em Luanda e ao 15 de Março, data reivindicada pela Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA), como data do começo da luta de libertação. "O 4 de Janeiro, uma continuação de outras resistências, foi a resposta mais violenta ao sistema colonial, em que se levantaram milhares de camponeses contra o sistema de exploração colonial na baixa de Cassanje", lembrou.
É preciso clarificar a Revolta do Cassanje, diz Pepetela A "Revolta da Baixa do Cassanje" "precisa de ser clarificada" para que os angolanos "conheçam a sua verdadeira dimensão histórica", defende o escritor angolano, Artur Pestana (Pepetela). A exortação de Pepetela surge quando passam 47 anos sobre o também chamado "Levantamento do Cassanje", data que marca os sangrentos confrontos entre os camponeses dos campos de algodão explorados pela empresa Cotonang e o poder colonial português.
Esta data, que durante muitos anos da Angola independente foi subvalorizada, ressurge agora como um dos momentos altos da luta nacionalista que viria a redundar na independência do país a 11 de Novembro de 1975, a par de outras como o 4 de Fevereiro ou o 15 de Março. O escritor e professor universitário angolano admite existirem duas versões divergentes quanto aos acontecimentos da Baixa de Cassanje, o que no seu entender exigem uma "clarificação" da sua "verdadeira dimensão histórica".
"O que se conhecia sobre o que ocorreu na Baixa de Cassanje era uma simples reivindicação de agricultores de algodão que pretendiam obter preços mais elevados do seu produto, mas a companhia compradora rejeitou, desembocando no levantamento que culminou na morte de centenas de pessoas", recordou Pepetela.
Mas aquele que é um dos mais notáveis escritores angolanos aponta para o surgimento de uma nova perspectiva dos acontecimentos que marcaram este episódio, cujo epicentro foram os campos de algodão da Cotonang. Uma revolta de "inspiração militar", cujo objectivo era procurar caminhos para iniciar a luta de libertação nacional, é apontada por Pepetela como merecedora de novos e aprofundados estudos.
De acordo com Pepetela, para que a população angolana tenha orgulho sobre tudo o que se passou na Baixa de Cassanje os historiadores devem esclarecer os factos.
Sem dúvidas, o vice-ministro dos Antigos Combatentes e Veteranos de Guerra, Lourenço Contreiras Neto, diz que "o feito de Cassanje", no âmbito da acção de camponeses contra a Cotonang, empresa colonial que explorava os campos de algodão da região, foi "um levantamento que se enquadrou na luta clandestina que então eclodia em Angola".
"Entre aqueles trabalhadores haviam elementos activos que estiveram na base das manifestações. Embora tivesse um desfecho infeliz, com a morte de centenas de nacionalistas, este momento marcou decisivamente a luta dos angolanos pela independência", apontou Lourenço Neto.
Já o deputado Jorge Valentim, da UNITA, figura histórica do nacionalismo angolano, lembrou que "acções heróicas" foram também desencadeadas em várias regiões de Angola, dando o exemplo da cidade do Lobito onde, na década de 1960, vários missionários e professores foram presos por se identificarem com a luta de libertação nacional.


A Revolta da Baixa do Cassanje, para Jorge Valentim, deu a "indicação clara de que era possível lutar contra o colonialismo, não apenas os intelectuais, mas alargando a luta ao nível das largas massas populares".


O político, que considera o levantamento da Baixa de Cassanje uma "contribuição à causa do nacionalismo angolano", sublinhou que, com este acto, as massas populares angolanas se evidenciaram, embora a acção dos movimentos de libertação existentes à época (MPLA e UPA/FNLA) não estivesse ainda bem definida".

Fonte: Notícias Lusófonas

Etiquetas: , ,

4 Comentários:

  • Às 9:46 da manhã , Anonymous Anónimo disse...

    MOVIMENTO DE LIBERTAÇÃO DA AFRICA SOB DOMINAÇÃO PORTUGUESA









    CONAKRY






    Convoca-se ao camarada HUGO DE MENEZES a comparecer na reunião legal que tera lugar em 26 do corrente pelas 15horas no BOURSE du travail sob a presidência do camarada , com a seguinte ordem da dia:






    Conakry, 24 de março de 1960



    O Secretário Geral


    Luis da Silva

     
  • Às 9:47 da manhã , Anonymous Anónimo disse...

    MOVIMENTO DE LIBERTAÇÃO DA AFRICA SOB DOMINAÇÃO PORTUGUESA









    CONAKRY






    Convoca-se ao camarada HUGO DE MENEZES a comparecer na reunião legal que tera lugar em 26 do corrente pelas 15horas no BOURSE du travail sob a presidência do camarada , com a seguinte ordem da dia:






    Conakry, 24 de março de 1960



    O Secretário Geral


    Luis da Silva

     
  • Às 9:56 da tarde , Anonymous patriçio disse...

    tinham q ser a bem o a mal

     
  • Às 5:40 da manhã , Anonymous Anónimo disse...

    Doing the same thing for thomas sabo diamonds is going to cost you thomas sabo sale an arm and a leg as the colored diamonds thomas sabo jewellery are hard to come by. thomas sabo charms The deposit and jewelry boxes you have, thomas sabo online as well as desk and cabinets, vehicle doors and windows, sabo jewellery home and store front doors can all get ruined. thomas sabo charms sale Using a skilled locksmith you'll cheap thomas sabo charms be able to have the assurance that you get the best work that will be done right and guaranteed.All to often, discount thomas sabo charms instead of finding an automotive locksmith, thomas sabo charms clearance Washington DC residents try to take matters in to their own hands.

     

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial