O Arauto

Photobucket

sábado, março 10, 2007

Monangamba

Naquela roça grande não tem chuva
é o suor do meu rosto que rega as plantações;
Naquela roça grande tem café maduro
e aquele vermelho-cereja
são gotas do meu sangue feitas seivas.
O café vai ser torrado,
pisado, torturado,
vai ficar negro, negro da cor do contratado.
Negro da cor do contratado!
Perguntem às aves que cantam
aos regatos de alegre serpentear
e ao vento forte do sertão:
Quem se levanta cedo? Quem vai à tonga?
Quem traz pela estrada longa
a tipóia ou o cacho de dendém?
Quem capina e em paga recebe desdém
fuba podre, peixe podre,
panos ruins, cinquenta angolare
"porrada se refilares"?
Quem?
Quem faz o milho crescer
e os laranjais florescer
- Quem?
Quem dá dinheiro para o patrão comprar
máquinas, carros, senhoras
e cabeças de pretos para os motores?
Quem faz o branco prosperar,
Ter barriga grande - ter dinheiro
-Quem?
E as aves que cantam,
os regatos de alegre serpentear
e o vento forte do sertão
responderão
- "Monangambééé..."
Poema do angolano Anónio Jacinto

Etiquetas: , ,

5 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial