O Arauto

Photobucket

sábado, junho 03, 2006

"Casa da Morna", a face bela de uma história feia

Ontem fui (acompanhado de um casal amigo), por volta das 9 horas da noite, jantar na "Casa da Morna", situada em Alcântara, na rua Rodrigues Faria, n.21, por detrás da discoteca Luanda em Lisboa.
A "Casa da Morna", propriedade de Tito Paris e de Bana Júnior (o filho do Bana), é uma espécie de "embaixada" em Lisboa que, com seu ambiente, nos faz pensar que Cabo-Verde é apenas morna, funana, batuque e coladera.
A "Casa da Morna", onde se ouve música ao vivo de Tito Paris, hipnotiza os cabo-verdianos e estrangeiros que a frequentam no que tange à intolerância política, à discriminação e à regressão democrática que se vive nas 10 ilhas da Morabeza, situadas no Atlântico
Médio.
Quando se está lá dentro, pensa-se na terra de sabor tropical e encanto sem igual (mas não me esqueço que o Cacá foi expulso do Protocolo do Estado cabo-verdiano onde trabalhou como chefe de cerimónia durante 10 anos por não ser militante do PAICV).
Curti Bo Life, isso é música de Tito Paris e também di noz terra moço!
Quando se está lá dentro, pensa-se no sorriso doce e meigo das crioulas da nação mais mestiça do mundo (mas não me esqueço que quem na Administração Pública não for militante do PAICV, arrisca-se a ser proscrito).
Cartinha de Holanda, isso é música de Tito Paris e também di noz terra moço!
Quando se está lá dentro, esquece-se que a beleza das ilhas confundem-se com a da natureza (mas não me esqueço que Cabo-Verde viu o seu corpo e a alma democrática feridos de morte nas últimas eleições presidenciais).
Dança Ma Mi Crioula, isso é música de Tito Paris e também di noz terra!
Quando se está lá dentro, pensa-se que se pode dizer "olha isso aqui está muito bom/ isto aqui está bom demais" (mas não me esqueço que Cabo-Verde ainda não dispõe, 30 anos depois da sua independência, de uma universidade pública).
Preto E Mi, isso é música de Tito Paris e também di noz terra!