O Arauto

Photobucket

quarta-feira, julho 05, 2006

Em Cabo Verde nem tudo é o que parece

A Embaixada de Cabo Verde em Portugal e a Associação de Estudantes Cabo Verdianos de Lisboa promoveram na capital portuguesa, terça-feira, 4, um colóquio com o título “Cabo Verde: Desafios de Desenvolvimento, Perspectivas da sua Sustentabilidade”. O colóquio, que teve como palco o auditório Alexandre Pessoa Vaz da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnológicas (ULHT), visou assinalar o trigésimo primeiro aniversário da nação e do Estado cabo-verdiano.
Na sessão de abertura do referido colóquio, o encarregado de Negócios da Embaixada de Cabo Verde em Lisboa, Daniel Pereira, afirmou no seu discurso de abertura que o seu País “constitui um exemplo de Estado de Direito democrático em África onde as instituições funcionam normalmente”.
Ao ouvir tal afirmação, apeteceu-me virar a cara, torcer o nariz, (que contrariamente ao da dona Maria Helena, minha mãe, não é muito bonito, confesso) afagar a orelha direita e dizer para os meus botões: “olhe que o negócio não é bem assim, senhor encarregado!”
Daniel Pereira sublinhou na sua alocução que “os direitos, liberdades e garantias estão perfeitamente delimitados e defendidos constitucionalmente e por instituições de Justiça independentes do poder político”.
Desta vez não só me apeteceu como virei mesmo a cara, torci o nariz (que não é muito atraente como o da minha protectora, admito), afaguei a orelha direita e disse para os meus botões: “olhe que o negócio não é bem assim, senhor encarregado!”
É claro que, como escreveram poetas cabo verdianos como Ovídio Martins, as cabras já “nos ensinam a comer pedras para não perecermos” como no passado.
Lá isto é verdade, mas o resto do negócio não é bem assim, senhor encarregado, não é não!
Crónica publicada no NL